*Fernando Silva, CEO da PWTech

Ao longo dos últimos 20 anos, a Organização das Nações Unidas (ONU) tem alertado que o volume de água dos reservatórios no mundo todo está caindo um centímetro por ano. Embora a manifestação venha de uma das maiores e mais importantes entidades do mundo, o problema está longe de ter uma solução.

Canecas Personalizadas

Para piorar, apenas 0,5% de toda água potável do planeta é usada para consumo, uma vez que, infelizmente, grande parte é desperdiçada. Recentemente, o Instituto Trata Brasil divulgou um levantamento que apontou que, só no Brasil, 39,2% de toda a água tratada não chega ao seu destino final: a casa dos brasileiros. Na prática, isso significa que 7,5 mil piscinas olímpicas de água potável são desperdiçadas diariamente ou o equivalente a sete vezes o volume do Sistema Cantareira.

Diante desses números, você deve estar se perguntando o que acontece no sistema de abastecimento de água do país que perde milhares de litros de água todos os dias. O que nos preocupa, como uma startup que lida com um dos bens mais preciosos do planeta, é que a resposta é simples mas preocupante: desperdício, vazamentos e fraudes são as principais causas do problema.

Por exemplo, de acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o gasto exagerado e os famosos “gatos” ainda continuam elevados. Só no estado, a média anual de perda de água entre 2014 e 2019 foi de 823 bilhões de litros d’água, o suficiente para abastecer a capital paulista por um ano, que no mesmo período consome por volta de 685 bilhões de litros.

Todo esse volume de água perdida seria o suficiente para suprir a necessidade dos 35 milhões de brasileiros que hoje não têm acesso à água potável – e ainda sobrar. A quantidade de água desperdiçada seria suficiente para abastecer mais de 63 milhões de brasileiros em um ano, equivalente a 30% da população brasileira em 2019.

A situação é grave e precisa ser enfrentada com urgência, pois a água é uma questão chave entre as metas de 2030 para os Objetivos para Desenvolvimento Sustentável (ODS), aprovada pela Assembleia Geral da ONU, em 2015, sem contar os impactos econômicos para o país. Há, inclusive, estudos que apontam que se o Brasil reduzisse as perdas de água poderia ter um benefício de mais de R$27 milhões em 15 anos — até 2034.

A PWTech entende que a solução envolve diversos setores, passando por ações estruturadas e eficientes dos sistemas de saneamento até o combate ao furto de água. Nós, como representantes do setor privado, procuramos fazer a nossa parte ao criar um sistema simples, portátil e acessível de tratamento de água.

Mas também ansiamos por mais investimento em soluções de qualidade, que suportem as exigências técnicas das redes de água com mais maestria e uso inteligente dos recursos financeiros. Dessa forma, é possível garantir um melhor aproveitamento dos recursos hídricos no Brasil, tornando possível, um dia, atender a milhares de famílias que hoje ainda vivem sem água potável, um direito humano defendido pela ONU e por nós também.

*Fernando Silva é CEO da PWTech, startup brasileira, com várias premiações, voltada para a purificação de água contaminada. É responsável pela identificação de investidores para participação em diferentes projetos, na sua maioria voltados para sustentabilidade e tecnologia social, entre outros. Além disso, Fernando é especialista em negociação na busca de canais alternativos para captação de resultados comerciais, operacionais e financeiros, além do esperado.

Matéria anteriorCampanha #AbsorvaEssaIdeia vai ajudar no combate à pobreza menstrual em todo país
Próxima matériaPimp My Carroça lança Programa de Embaixadores focando em ações locais de apoio socioambiental

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezessete − dezessete =