Instituto Muda, ONG Espaço Urbano e o Cataki ampliam a conscientização socioambiental e fomentam a reciclagem das caixinhas

Idealizado pelo Grupo Muda, o programa “Adote um condomínio”, coletou mais de 650 toneladas de materiais recicláveis, em 2021, foram coletadas, sendo 45 delas de embalagens longa vida – em 54 condomínios da cidade de São Paulo, totalizando cerca de 4 mil pessoas com acesso à coleta seletiva.

O programa é implementado em condomínios que ainda não possuem a prática da coleta seletiva. Conversas e treinamentos envolvem os moradores e funcionários dos prédios com o intuito de esclarecer dúvidas e facilitar o reconhecimento do que é reciclável, bem como colocar como prática diária a separação dos resíduos. Depois, contêineres – fabricados com materiais reciclados das embalagens longa vida pós-consumo – são instalados no espaço comum para que as embalagens sejam coletadas e direcionadas para cooperativas parceiras.

“As iniciativas ganham corpo quando estabelecemos parcerias condizentes. E podemos dizer que nos orgulhamos das nossas. A colaboração é essencial para que as ações sejam aplicadas para os públicos certos, potencializando os objetivos em comum”, informa Valéria Michel, diretora de Sustentabilidade da Tetra Pak Brasil e Cone Sul.

Outra parceria é a desenvolvida com a ONG Espaço Urbano, responsável por desenvolver o Recicla Cidade, projeto com objetivo de aumentar a coleta de materiais recicláveis nas cidades onde é implementado. Focado na mobilização social e educação ambiental, envolve o poder público e toda a comunidade com campanhas de conscientização.

Em 2021, o Recicla Cidade passou a ser aplicado nas 12 cidades do Condemat (Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê) e atingiu mais de 120 mil pessoas e mais de 195 toneladas de embalagens longa vida foram direcionadas para as cooperativas locais.

Finalizando alguns dos exemplos de boas parcerias e seus resultados, a Tetra Pak desenvolveu projeto inédito em parceria com o Cataki para conectar catadoras e catadores autônomos a cooperativas de materiais recicláveis da cidade de São Paulo. Chamado Cataki+LongaVida, um de seus grandes diferenciais é a implementação de um sistema de bonificação ao catador, como uma espécie de subsídio que aumenta o valor do material e, consequentemente, a sua renda. No aplicativo homônimo, o catador participante do programa recebe R$ 0,25 por quilo de embalagem coletada nos pontos consolidadores parceiros do projeto, que são as cooperativas. Essas, por sua vez, recebem um bônus idêntico pelo serviço.

A iniciativa já recolheu mais de 2 milhões de caixinhas que foram destinadas adequadamente para reciclagem por catadores autônomos, representando 50 toneladas de embalagens longa vida recicladas.

Os resultados das parcerias deram espaço para os projetos expandirem para outras localidades. Em 2022, o projeto com o Grupo Muda será levado para a cidade de Campinas; a região do ABC paulista recebe o Recicla Cidade e a cidade de Belo Horizonte contará com o projeto Cataki+LongaVida.

Matéria anteriorReserva Circular: projeto aposta na logística reversa e oferece descontos para estimular clientes
Próxima matériaEmpresa de soluções em energia lança Carreta Cinema 2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco × 2 =