O evento, que será realizado nos dias 29 e 30/11, trará programação gratuita on-line com diversas atividades como masterclass, seminários, workshops, além de uma mostra audiovisual

Nos dias 29 e 30 de novembro (segunda e terça), o projeto Green Nation Worldwide (GNW) apresentará uma programação on-line gratuita, reunindo diversas atividades como masterclass, seminários, workshops e uma mesa redonda com convidados especiais. Toda a programação será transmitida diretamente pelo link: https://greennation.com.br/gww2021

Organizado pelo geógrafo e produtor de cinema Marcos Didonet, o GNW debaterá temas como ondas de calor intenso nas grandes cidades, despoluição de rios urbanos, racismo ambiental, educação em um futuro não escrito, o Brasil e a COP26 e a revolução do empreendedorismo social.

Canecas Personalizadas

Como destaques da Programação, podemos citar a masterclass “Assim como florestas, cidades também queimam”, tendo como convidada especial a grega Eleni Myrivili – a primeira pessoa do mundo a assumir a função de Chief Heat Officer, espécie de “Ministra do Calor”.

Confira programação completa:

Green Nation Worldwide 2021 – Programação

 

Masterclass

Assim como florestas, cidades também queimam – com Eleni Myrivili

Dia: 29 de novembro, às 12h

Com introdução de Daniela Berretta, jornalista de televisão, escritora e especialista em comunicação.

Sinopse: Eleni Myrivilli é a primeira pessoa do mundo a assumir a função de Chief Heat Officer, uma espécie de “Ministra do Calor”, função que visa garantir um futuro sustentável para uma das cidades mais antigas (e quentes) do mundo, Atenas, na Grécia. As áreas urbanas estão cada vez mais quentes e por períodos mais longos, vivenciando a ocorrência de ondas de calor intenso.

A combinação entre o aquecimento que ocorre no sistema climático geral e o efeito da ilha de calor que resulta das estruturas artificiais da cidade têm exigido novos e sustentáveis arranjos para o ambiente urbano. As áreas urbanas compõem uma parte relativamente pequena do globo, mas como mais da metade da população vive nelas, com os efeitos das mudanças climáticas suas estruturas tornam-se hostis à qualidade de vida em seu interior. Estas regiões estão vivenciando uma combinação entre o aquecimento que ocorre no sistema climático geral e o efeito da ilha de calor que resulta das estruturas artificiais da cidade.

A ONU prevê que os centros urbanos irão abrigar 70% da população mundial até 2050. Atualmente 55% da população vive em cidades. Atitudes inovadoras na gestão de cidades são urgentemente necessárias para fazer do ambiente urbano um lugar com qualidade para a vida humana. E adaptar e criar novos modelos de cidades inclui pensar o calor.

 

Seminários

COP26 – O Brasil em Glasgow – E agora, Brasil?

Dia: 29 de novembro, às 16h

Sinopse: As agendas da COP26 mostram oportunidades de tirar proveito das muitas sinergias potenciais que convergem para as ações de enfrentamento das mudanças climáticas e das perdas da biodiversidade – como a restauração massiva de ecossistemas – e para mudar o curso da humanidade em direção a um futuro sustentável. As alterações no Sistema Climático e a perda de biodiversidade potencializam-se mutuamente em suas consequências desastrosas.

Dado o caráter difuso das mudanças climáticas, mas também, das perdas da biodiversidade, os países terão que cumprir metas e promover o desenvolvimento sustentável em seus compromissos locais, gerando oportunidades e requerendo atitudes. O seminário apresentará os desdobramentos da COP26 e as estradas que o Brasil terá pela frente para serem caminhadas.

Participantes:

  • Ana Toni – Diretora Executiva do Instituto Clima e Sociedade – iCS.
  • Carlos Nobre – climatologista, atualmente pesquisador sênior do Instituto de Estudos Avançados da USP.
  • Claudio Angelo – coordenador de comunicação do Observatório do Clima.
  • Mercedes Bustamante – professora titular da UnB, membro eleito da Academia Brasileira de Ciências.
  • Moderação: Sérgio Besserman – Coordenador Estratégico do Climate Reality Project seção Brasil e Curador de Clima e sustentabilidade do Museu do Amanhã.

 

Racismo Ambiental

Dia: 29 de novembro, às 17h

Sinopse: Racismo Ambiental traduz o procedimento da sociedade dominante quanto às injustiças sociais e ambientais que recaem de forma desproporcional sobre etnias vulnerabilizadas. Decisões unilaterais têm destinado a maior carga dos danos ambientais do desenvolvimento às populações de baixa renda, aos grupos sociais discriminados, aos bairros operários, aos povos étnicos tradicionais e às populações marginalizadas e vulneráveis.

Participantes:

  • Diogo Rocha – Pesquisador do Núcleo Ecologias, Epistemologias e Promoção Emancipatória da Saúde (Neepes) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Coordenador executivo adjunto do projeto Mapa de Conflitos Envolvendo Injustiças Ambientais e Saúde no Brasil.
  • Karina Penha – Bióloga, ativista climática e ambientalista. Mobilizadora na Organização de Direitos Humanos e socioambientais NOSSAS, com o Programa de Ativismo Climático para Juventudes Amazônicas.

 

A Educação em um Futuro Não Escrito – Um novo aluno, Uma nova escola, Procura-se uma nova maneira de aprender.

Dia: 30 de novembro, às 14h

Sinopse: A brusca interrupção das rotinas no Sistema Educacional, causada pela Pandemia, impôs rupturas consideradas irreversíveis no seu modus operandi, fazendo emergir cenários onde a escola e o sistema escolar estão desconectados das realidades e necessidades dos alunos. Cerca de 48 milhões de estudantes deixaram de frequentar as atividades presenciais, desde março de 2020, nas mais de 180 mil escolas de ensino básico do país.

Como recriar a energia da interação e da esperança da escola aberta? Como recriar significados para o que vivemos de forma sofrida durante a Pandemia? Como será promover o aprendizado diante da diversidade de contextos? O que desafia os sistemas de ensino, os professores, a escola e as novas relações entre escola e família? Êxito não se traduz só pela aprendizagem, mas também na formação integral da personalidade, com o olhar das crianças para o mundo.

Participantes:

  • Jucie Parreira – Secretário de Educação e Cultura no município educador de Almirante Tamandaré.
  • Lica Barbosa – Professora Titular na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Luiz Miguel – Dirigente Municipal da Educação de Sud Mennucci, presidente da Undime.
  • Moderação: Vital Didonet – Professor, especialista em educação infantil e políticas pela primeira infância.

 

A Revolução que os Empreendedores Sociais Estão Fazendo No Mundo – Coalizão Catalyst 2030 Brasil

Dia: 30 de novembro, às 15h

Sinopse: Inspirada no movimento global Catalyst 2030, a Coalizão agrega empreendedores sociais e inovadores sociais dos diversos setores que compartilham o objetivo comum de criar abordagens inovadoras, centradas nas pessoas, para atingir os 17 ODS que compõe a Agenda 2030. O empreendedorismo social depende da força da comunidade e da prática da cidadania ativa, com as quais se fortalece e se expande para uma Cidadania Planetária.

O seminário abordará as atitudes que vêm rompendo paradigmas para o alcance do Desenvolvimento Sustentável, em que ações coletivas potencializam forças, antes fragilizadas, por meio de estratégias ousadas e coerentes ao contexto da Agenda 2030.

Participantes:

  • Gisela Solymos – Coordenadora de Inclusão Produtiva do SEBRAE SP.
  • Michael Green – CEO do Social Progress Imperative.
  • Paula Fabiani – CEO do IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social.
  • Rodrigo Baggio – empreendedor social, fundador e presidente da organização social Recode.

 

Despoluição e Recuperação de Rios Urbanos – Rios Forjam Cidades

Dia: 30 de novembro, às 17h

Sinopse: A grande maioria das cidades se estruturou sob a influência positiva de algum rio, do qual deriva sua dinâmica. A deterioração do corpo hídrico, como uma consequência da pressão antrópica, deteriora também a cidade, num processo de tensões crescentes. Neste seminário, especialistas abordam o processo de despoluição em rios, no contexto de sua interface com a cidade, e debatem casos de sucesso.

Participantes:

  • Frank Rogalla – Diretor de Inovação da Aqualia, em Madrid / participou dos processos de despoluição dos Rios Sena (França) e Tâmisa (Inglaterra).
  • Paulo Constantino – Fundador e porta-voz do proTEJO – movimento pelo Rio Tejo (Portugal).
  • Ricardo Daruiz Borsari – Diretor metropolitano da Sabesp / programa Novo Rio Pinheiros.

 

Workshops

Arte e Sustentabilidade para Crianças – Ferramentas para uma Educação Antirracista – com Jaciana Melquiades

Dia: 29 de novembro, às 14h30

Sinopse: A perspectiva da quebra de paradigmas como historiadora e o sonho com bonecas que a representassem, fez Jaciana Melquiades empreender um negócio social inovador que promove o empoderamento e a inserção social de mulheres negras e trans. Do sonho à atitude, surge um Ateliê de Bonecas com referências e representatividade.

 

Descarte de Resíduos e Oportunidades de Negócios – Atitudes compartilhadas rompem paradigmas e geram inovação nos negócios socioambientais – com Roger Koeppl

Dia: 30 de novembro, às 12h

Sinopse: Neste workshop, Roger Koeppl, diretor presidente da YouGreen, cooperativa de gestão de resíduos, traz sua experiência como Empreendedor e Inovador Social num campo de oportunidades.

 

Capacitação para a Produção de Conteúdo Audiovisual – Como fazer uma obra audiovisual: da concepção à realização – com Cavi Borges

Dia: 30 de novembro, às 18h

Sinopse: Um dos principais produtores do cinema brasileiro independente contemporâneo, também cineasta e diretor audiovisual, mostra neste workshop a funcionalidade desta ferramenta que potencializa atitudes, abordando como produzir, distribuir e exibir com baixo orçamento e alta criatividade.

 

Mesa Redonda

Repleta de atitudes para a sustentabilidade

Dia: 29 de novembro, às 18h

Sinopse: Comandada pela jornalista Rosana Jatobá, a mesa redonda encerra a programação do dia 29 por meio de um debate sobre governança social e ambiental, com gestores de empresas e corporações.

A governança corporativa e as atitudes ESG nos negócios em um momento em que o ambiente responde aos impactos das ações antrópicas, impondo atitudes para a sustentabilidade.

Participantes:

  • Adriano Candido Stringhini – Diretor de gestão corporativa da Sabesp
  • Fabio Alperowitch – Diretor do Instituto FAMA, do Instituto Brasil Israel e do Instituto Totós da Teté
  • Lisa Lieberbaum – Gerente de sustentabilidade da Ambev
  • Maite Schneider – Cofundadora do projeto TRANSEMPREGOS

 

Mostra Audiovisual

Mantendo sua tradição de diálogo com a inovação, sustentabilidade e com temas urgentes e atuais, o Green Nation Worldwide contará também com a sexta edição da Mostra de Cinema Internacional. Neste ano em especial, amparada pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, a curadoria traz títulos nacionais e internacionais que percorrem por diversos temas urgentes com linguagens inovadoras e cativantes que procuram, por meio da emoção, aproximar o público e propor ações concretas para atingir transformações reais.

Em sua primeira edição totalmente online, a VI Mostra de Cinema Green Nation será exibida gratuitamente em plataforma de streaming livre para todos os países, ampliando o alcance das relevantes discussões abordadas pelos títulos selecionados. Os filmes serão divididos em quatro mostras: Green Premiere, Green Nation WorldWide; Animação; e WCFF (Wildlife Conservation Film Festival). Programação completa no link: https://greennation.com.br/gww2021

Matéria anteriorFórum internacional discutirá inovação sustentável e responsável na economia Pós-Covid
Próxima matériaPerifa Talks Amazônia promove conversa sobre bioeconomia, arte e ancestralidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

10 + dezesseis =