Região tem o metro quadrado com a maior biodiversidade da Mata Atlântica

Michelin anuncia a ampliação da Reserva Ecológica Michelin, no sul da Bahia, que tem restaurado e protegido a biodiversidade da Mata Atlântica, um dos ecossistemas mais ameaçados do mundo. Agora, em 2022, a empresa transferiu para a região mais de 800 hectares de seringais da plantação local, o que representa um aumento de quase 30% nos 3 mil hectares destinados à conservação.

Desde a sua criação, mais de 108 mil árvores, de 275 espécies, já foram plantadas no local e 20 novas espécies de fauna e flora foram descobertas. No Centro de Estudos da Biodiversidade, 112 pesquisas já foram concluídas, 12 estão em andamento e 125 artigos científicos foram publicados.

Canecas Personalizadas

Agora, as novas terras proporcionarão espaço para o plantio de mais de 40.000 árvores da floresta tropical, expandindo as populações de árvores raras de madeira de lei e enriquecendo a flora para que essas terras sustentem populações de animais da floresta nos próximos séculos.

Pesquisas ainda mostram que, com proteção, muitas espécies de animais poderão viver neste habitat, incluindo espécies criticamente ameaçadas de extinção, como os macacos-prego-de-peito-amarelo (Sapajus xanthosternos) e os mutum-de-bico-vermelho (Crax blumenbachii) e outras espécies como pumas (Puma concolor) e caitetus (Pecari tajacu).

“Muitas ações de conservação são necessárias para salvar florestas e a Reserva Ecológica Michelin faz parte desse esforço global. Devido às ameaças contínuas do desmatamento, da degradação, da fragmentação e da caça ilegal, ela desempenha um papel fundamental na preservação da biodiversidade em uma das florestas tropicais mais ricas do planeta”, afirma Kevin Flesher, diretor da Reserva Ecológica Michelin.

A Reserva Ecológica Michelin faz parte do Michelin Ouro Verde Bahia, um dos maiores programas de desenvolvimento sustentável da Michelin no mundo, entre os municípios de Igrapiúna e Ituberá, que aposta no equilíbrio entre o respeito ao meio ambiente, o desenvolvimento social e o crescimento econômico. Criado em 2004, tem viabilizado a produção e comercialização da borracha natural de maneira responsável e duradoura. Além de contribuir para o cultivo de seringueira e o aumento da produção de cacau e banana por agricultores familiares da região, o programa atua na proteção e restauração da Mata Atlântica, por meio da Reserva, e tem, entre as suas realizações, a criação do Parque da Cachoeira da Pancada Grande.

Matéria anteriorInstituição firma parceria com empresa de reforma de móveis estofados para fazer upcycling dos móveis recebidos
Próxima matériaESG será adotado transversalmente por empresas globais até 2025

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

onze + vinte =