Desenvolvido por uma estudante do Centro Educacional Arteceb, de Imperatriz, projeto é um dos destaques da Febrace, realizada até o dia 26/3 em formato on-line

Bioplástico quase todo mundo já ouviu falar, mas, sobre o acrílico ecológico, também? Pois foi isso o que fez a estudante Ana Beatriz de Castro Silva, do Centro Educacional Arteceb, de Imperatriz (MA). Ela desenvolveu um acrílico a partir da película que envolve a polpa do buriti, palmeira típica do cerrado. E criou um plástico resistente da casca da planta, com o qual fez um revestimento para piso e parede; e também um biofilme, a partir da polpa. O projeto é um dos destaques da 20ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), reallizada até o dia 26 de março pela Plataforma Febrace Virtual.

Depois de produzir os biopolímeros, Ana Beatriz fez a caracterização biotecnológica deles, testando a opacidade, resistência química, propriedades mecânicas, capacidade de degradação em solo, entre outros aspectos. Os resultados mostram que a produção de biopolímero, a partir do Buriti, é viável: utiliza tecnologia para o desenvolvimento sustentável e social, e pode ser usada pela indústria polimérica e indústria farmacêutica, sem agredir o meio ambiente. A decomposição se deu em tempo recorde: até 15 dias na água e até 20 dias no solo.

Canecas Personalizadas

A estudante pretende dar continuidade à pesquisa, desenvolvendo uma pele artificial com a mesma matéria prima. “Não quero parar, quero que realmente essa pesquisa se transforme em produtos que beneficiem a sociedade”, diz.

Os 497 finalistas da Febrace — entre eles o projeto de Ana Beatriz — serão julgados por professores universitários e especialistas, que farão a avaliação em teleconferências fechadas. Os autores dos melhores projetos, nas diversas categorias, ganharão troféus, medalhas, bolsas e estágios, em um total aproximado de 300 prêmios e oportunidades no Brasil e no exterior. Também serão selecionados nove projetos para a Regeneron ISEF — a maior feira internacional de ciências do mundo, em maio, nos EUA.

Matéria anteriorMuseu da Energia de Itu lança Caderno Educativo no dia da água
Próxima matériaA revolução do ESG em 2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × quatro =