Início Notícias Universitários desenvolvem protótipo de sacola biodegradável que se torna adubo

Universitários desenvolvem protótipo de sacola biodegradável que se torna adubo

Estudantes do primeiro ano do curso de Engenharia Química criam o produto a partir do amido encontrado na mandioca

A maneira como o plástico vem sendo utilizado é tema de discussões e debates por ambientalistas em todo o mundo, já que o material pode levar mais de um século para se decompor no meio ambiente. O Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Índia. O país também é um dos que menos recicla esse tipo de resíduo, em 2019, foram gerados 11,3 milhões de toneladas de plástico, mas apenas 145 mil são reciclados, cerca de 1,3% de acordo com a WWF Brasil, enquanto a média mundial é de 9%.  

Diante do cenário preocupante e da proposta de atividade a ser desenvolvida no Componente Curricular Vida & Carreira, Alexandre Luz Correa, Gustavo Stupp Brasil, Leonardo Mendes Da Rosa, Luiz Fernando Atvars Pereira, Michelle Fernandes Pereira, Veronica Sheikna Varone Finkler e Vitor Da Silva Schraiber, estudantes do primeiro ano do curso de Engenharia Química da UniSul, integrante do Ecossitema Ânima Educação, desenvolveram um protótipo de sacolas biodegradáveis, feitas com base de amido retirado de produtos naturais abundantes no país como a cana-de-açúcar, o milho, a batata e a mandioca, o que faz com que essas sacolas possam virar adubo depois do seu descarte. 

Canecas Personalizadas

“Precisávamos criar um projeto de engajamento social e ao mesmo tempo, queríamos empreender, criar algo novo que fosse necessário e uma solução viável para tentar amenizar uma parte do problema do nosso meio ambiente”, ressalta, Luiz Fernando Atvars Pereira, um dos estudantes que desenvolveu o projeto.  

Com orientação da professora Francielen Kuball Silva, Doutora em Engenharia Química, o processo de desenvolvimento do protótipo levou cerca de dois meses para chegar ao produto final. Por meio de métodos de pesquisa, os estudantes desenvolveram também um trabalho científico, testando procedimentos experimentais e submetendo as matérias-primas a temperaturas distintas, com intuito de alcançar uma sacola o mais próximo possível das já existentes.  

“Percebemos que o problema das sacolas plásticas é que mesmo sendo um material reciclável no Brasil, apenas 1% do plástico descartado é reaproveitado. Também vimos que o nosso País é o 3º maior exportador agrícola do mundo, ou seja, teríamos matéria-prima para desenvolver nosso projeto com cana-de-açúcar, milho, batata e mandioca”, destaca Veronica Sheikna Varone Finkler, integrante do grupo.  

O desenvolvimento do projeto teve etapas iniciais de pesquisa e discussão sobre problemáticas ambientais. A definição do tema veio com a ideia de minimizar os impactos negativos do descarte inadequado e da superprodução de sacolas plásticas. A partir desse ponto, os alunos buscaram um produto orgânico, que pudesse oferecer uma degradação mais rápida para as sacolas biodegradáveis que seriam desenvolvidas. “Com as pesquisas em mãos, começamos a dar vida ao projeto sustentável de sacolas o mais próximo possível das tradicionais sacolas plásticas, porém que não agredisse o meio ambiente”, comenta Veronica.  

Entre erros e acertos os estudantes realizaram quatro tentativas na prática. O primeiro teste contou com o amido da batata e os outros com o amido da mandioca. Com os primeiros testes de produção, chegou-se no 4º protótipo, maleável, mais grosso e opaco, um plástico biodegradável produzido com mandioca plantada por um dos estudantes do grupo.  

Para a docente, fazer com que os alunos estejam aptos a pensar fora da caixa, com objetivos claros e que possam sanar uma demanda da sociedade é uma maneira eficiente de transformar estudantes em profissionais empreendedores, com capacidades técnicas apuradas e uma visão humana da sociedade sob diferentes aspectos.  “Nos cursos da UniSul buscamos fazer com que os estudantes tragam soluções que de fato impactem na sociedade. A ideia é que o desenvolvimento dos trabalhos não esteja atrelado somente as notas finais, mas, sejam parte fundamental na construção de profissionais comprometidos e cidadãos, atentos não só as demandas do mercado, mas também as necessidades da sociedade”, finaliza. 

Matéria anteriorInstituto Akatu dá dicas de consumo consciente
Próxima matériaApp de delivery assume compromisso público para entregas sem plásticos descartáveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quinze + 3 =