Relatório destaca necessidade de ação ampla e rápida se quisermos cumprir a meta do Acordo de Paris

Estamos muito longe da meta de limitar o aquecimento global a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais e evitar os piores riscos das mudanças climáticas. Mas essa meta ainda é possível, de acordo com o mais recente relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima (IPCC) — e essa esperança deve orientar as decisões político-econômicas desta década, segundo o WWF-Brasil.

Como os últimos relatórios do IPCC mostraram, esta década é decisiva para o clima. Em 2018, o Painel alertou que, para ter uma chance razoável de limitar o aquecimento a 1,5°C, governos e empresas precisavam reduzir as emissões de CO2 em 45% até 2030. Ou seja, temos oito anos. O novo relatório do IPCC apresenta como o mundo pode agir para atingir os objetivos do Acordo de Paris: avalia métodos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e remover carbono da atmosfera.

O pacote da destruição que o Congresso Nacional pretende votar este ano nos coloca na contramão dos esforços globais para combater a emergência climática e, portanto, elevam os riscos de insegurança alimentar, hídrica e energética das atuais e futuras gerações. Estamos falando de projetos de lei contrários aos melhores interesses do País e que não podem ser aprovados“, declara Raul do Valle, diretor de justiça socioambiental do WWF-Brasil.

Os gases de efeito estufa em todo o mundo são gerados majoritariamente pela queima de combustíveis fósseis para geração de energia. Por isso, o relatório do IPCC aponta a importância de um sistema global alimentado por energias limpas e renováveis. Isso significa que infraestruturas de combustíveis fósseis precisam ser gradualmente eliminadas, assim como os subsídios que mantêm a competitividade econômica dessas fontes de energia.

Porém, o relatório também destaca o potencial das atividades relacionadas à mudança do uso da terra para fornecer reduções e remoções em grande escala, ao mesmo tempo em que beneficiam a biodiversidade, a segurança alimentar, o fornecimento de materiais e outros serviços ecossistêmicos baseados na natureza. Este é um ponto importante para o Brasil, que tem no desmatamento e nas queimadas suas principais fontes de emissão de gases de efeito estufa. Mudanças no uso da terra responderam por quase metade (46%) das emissões brasileiras em 2020, segundo dados do SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa), do Observatório do Clima. Os dados mostram que, se fosse um país, a Amazônia seria o nono maior emissor do mundo, ficando à frente da Alemanha, e o oitavo, à frente do Irã, se tivesse suas emissões somadas às do Cerrado, outro bioma sob forte pressão de desmatamento.

Além de desligar as termelétricas e rever o insano projeto que manterá o Brasil preso ao gás, o país precisa eliminar totalmente o desmatamento dos nossos biomas. Não faz sentido do ponto de vista ambiental, social ou econômico queimar nossas riquezas naturais como está acontecendo”, afirma Alexandre Prado, diretor de Economia Verde do WWF-Brasil.

O IPCC também adverte que para cumprir as metas climáticas será preciso também remover o dióxido de carbono da atmosfera. Proteger e restaurar a natureza é fundamental – nossos ecossistemas e biomas são necessários para nos proteger de um mundo em aquecimento e, ao mesmo tempo, nos ajudar a absorver e armazenar carbono. As soluções baseadas na natureza podem ajudar a absorver e armazenar carbono, proteger as comunidades de eventos climáticos extremos e fornecer alimentos e meios de subsistência.

Para isso, o dinheiro precisa parar de fluir para atividades destruidoras do clima e ser redirecionado para as soluções. Devemos investir e acelerar soluções baseadas na natureza, como a restauração de ecossistemas, para ajudar a proteger as comunidades e os biomas mais vulneráveis. O custo da ação é menor do que o custo da inação. Além disso, uma economia de baixo carbono também pode criar empregos mais duradouros, com mais equidade e melhor qualidade de vida para a sociedade brasileira.

Os cientistas dizem que ainda é possível atingir as metas de Paris desde que o mundo faça um grande aumento no esforço – que deve começar imediatamente, incluindo maior investimento financeiro e o dinheiro climático prometido pelos governos.

Todos os atores da sociedade – de governos e empresas ao setor financeiro e indivíduos — precisam ouvir o alerta da ciência e adotar medidas rápidas e arrojadas para enfrentar a crise climática. É hora de olhar para cima, reconhecer a ameaça e também as oportunidades de ação para garantirmos um futuro seguro não só para as futuras, mas para a atual geração”, afirma Alexandre.

As políticas atuais, mesmo se bem sucedidas, levariam a um aquecimento de 2,7°C ou mais até o final do século. Os atuais compromissos climáticos de emissões líquidas zero ainda produziriam um aquecimento de cerca de 2,2°C.

STF de olho no desmonte ambiental do governo Bolsonaro

O relatório do IPCC reforça a importância de iniciativas como o Pacote Verde do Supremo Tribunal Federal (STF), que está julgando uma série de ações relacionadas com a proteção ambiental. Na última quinta-feira (31/03), a ministra Cármen Lúcia, relatora de seis dos sete processos que estão sendo analisados, enfatizou que a floresta amazônica – bioma crítico para a estabilidade do clima do Brasil – pode estar à beira do “ponto de não retorno” causado pela “ecocriminalidade” e a omissão estatal, como alertam as ações em julgamento.

Matéria anteriorVocê sabe as diferenças entre o mercado livre e o mercado cativo de energia?
Próxima matériaMarço registra 312 km² com alertas de desmatamento e fecha o pior trimestre da série histórica

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 + 18 =