O espaço, inaugurado dia 4 de dezembro, em Joinville, planejado e construído por voluntários, com apoio do Instituto Carlos Roberto Hansen, é fundamental para a reabilitação e desenvolvimento de crianças com deficiências físicas e ou intelectuais

Na semana passada foi inaugurado o Jardim Sensorial do Instituto Dona Anna de Reabilitação do Potencial Humano. O espaço é um sonho antigo de pais, professores, voluntários e, principalmente, das quase 70 crianças atendidas pela instituição.

O Jardim Sensorial é composto por plantas, aromas, formas e texturas que, além oferecerem bem-estar e lazer, estimulam os cinco sentidos (tato, visão, olfato, paladar e audição). Dessa maneira é possível transcender o espaço terapêutico, fazendo com que as crianças e adolescentes acompanhados pelo Instituto desenvolvam propriocepção, equilíbrio, criatividade, atenção, concentração, autonomia em suas atividades diárias, entre outros benefícios.

O espaço propiciará a integração, motivação, socialização e estímulos com diversos recursos lúdicos e terapêuticos que motivarão as crianças com deficiência um maior interesse e predisposição aos exercícios. Além disso, fortalecerá a integração, ao compartilharem as mesmas experiências, reforçando os laços familiares com atividades que envolvam a reabilitação, aprendizagem e socialização. A intenção é que essa atividade reflita no vínculo familiar, estreitando relações, gerando o respeito entre os membros da família e buscando uma melhora na qualidade de vida. Tudo isso um espaço adaptado com equipamento terapêuticos e de lazer ao ar livre, fora da sala de atendimento.

Instituto Dona Anna de Reabilitação do Potencial Humano

O Instituto Dona Anna foi fundado em 28 de fevereiro de 1995, por Anna Destefani Duffeck, a partir das necessidades do seu filho, Ricardo Duffeck, que nasceu com deficiência intelectual. Em busca de oferecer a seu filho melhores recursos, métodos e tratamento, e também atendendo ao apelo de algumas mães da comunidade e áreas adjacentes com situações semelhantes, juntamente com a pedagoga Valdete Wiemes, criou a Instituição, que no início fica em sua residência. Depois, com recursos próprios construiu-se a sede atual da entidade. Hoje, o Instituto atende gratuitamente mais de 66 crianças e jovens com deficiências físicas e/ou intelectuais.

Jardim Sensorial, um sonho da dona Anna

Quem conhecia Dona Anna sabia o quanto ela amava e se dedicava em cuidar de plantas, flores e da natureza de modo geral. Um de seus últimos desejos foi a implantação de um Jardim Sensorial na Instituição para auxiliar nas terapias. Entretanto, meses depois de idealizar o projeto, em fevereiro de 2019, dona Anna faleceu.

O projeto, entretanto, não morreu. Com a liderança de Gil Prayon, funcionário da Tigre, e parceria do Instituto Carlos Roberto Hansen, Instituto Guga Kuerten, Irmãos Feitosa, Gráfica Volpato, Chef Borges, Associação B157, EITI Gestão de TI, CORE-E Internacional School, Adriano Liermann, Oper Serv Facilities Eireli, Boa Vista Paisagismo, Agrícola da Ilha e Júlio César de Aguiar Junior, o Jardim Sensorial foi finalizado e inaugurado dia 4 de dezembro.

Previous articleMaior fabricante do ketchup adota caminhão 100% elétrico na região metropolitana de Goiânia
Next articlePrograma de Voluntariado busca soluções para desafios das comunidades

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

quinze − 15 =