Para alcançar esse resultado, as empresas precisam digitalizar operações, serviços e produtos e investir mais em inteligência artificial, nuvem, blockchain e análise de dados

O estudo How Tech Offers a Faster Path to Sustainability, do Boston Consulting Group (BCG), estima que o uso da tecnologia pode reduzir as emissões de gases do efeito estufa (GEE) de uma empresa de 18% a 35%. Para isso, as empresas precisariam de uma mentalidade avançada de sustentabilidade focada em quatro pilares essenciais: automação de processos, transparência de dados de carbono, serviços e modelos de negócios sustentáveis e design circular de produtos.

De acordo com o BCG, a chave para alcançar esse patamar é repensar cinco áreas tradicionais da tecnologia:

Canecas Personalizadas

Operações digitalizadas. Os pioneiros nesta área criam operações e processos mais sustentáveis e, com isso, conseguem mais retorno de consumidores e investidores. As operações mais digitalizadas também melhoram a resiliência dos negócios. O estudo cita o caso da Schneider Electric, que passou de uma instaladora de equipamentos industriais a líder global em eficiência como serviço, gerando receitas com a redução das emissões de CO2 dos clientes. Quanto maior o impacto ambiental e social que a Schneider cria por meio da economia de energia e da redução de emissões, mais ela é financeiramente recompensada por clientes e mais rápido seus negócios se expandem.

Produtos e serviços digitais. As empresas líderes criam canais de distribuição que quebram as restrições econômicas para expandir o seu alcance, escala e acesso para um impacto benéfico na sociedade a custos acessíveis, como aplicativos que digitalizam e facilitam o acesso a bens e serviços essenciais.

Nuvem, IoT e blockchain. Tecnologias e ferramentas digitais avançadas – como sensores e monitores IoT conectados, plataformas de dados baseadas em nuvem e sistemas de rastreamento habilitados para blockchain – habilitam novos recursos para medir e rastrear o impacto ambiental e social em suas cadeias de valor. Com isso, empresas podem melhorar decisões de gestão e investimento e seu desempenho nas metas ESG.

IA e advanced analytics. São tecnologias que geram dados e insights sobre o impacto ambiental e social de um produto, serviço ou processo. Essas plataformas integram recursos, compartilham dados e geram mais transparência e responsabilidade entre os parceiros. As empresas podem aproveitar esses recursos para desenvolver e ajustar ofertas, envolver os clientes e melhorar o desempenho ao longo do tempo.

Dados e ecossistemas. O compartilhamento de dados permite novos modelos de colaboração em diversos setores para desenvolver soluções ambientais e sociais. As empresas podem reunir recursos, acessar novos mercados e expandir o seu alcance com mais facilidade. De acordo com o BCG, isso gera valor de cinco maneiras: permitindo a inovação, criando confiança, facilitando a coordenação, aumentando a conscientização e validando hipóteses.

“O sucesso depende de aproveitar o potencial da tecnologia e dos dados desde o início dos esforços de sustentabilidade, integrando a agenda ESG às soluções tecnológicas. Desta forma, é possível acelerar significativamente os impactos ambientais e sociais desejáveis para uma jornada completa de descarbonização, algo essencial nesse momento sensível de aceleração na mudança climática”, diz Otávio Dantas, diretor-executivo e sócio do BCG, líder da prática de Technology Advantage da consultoria no Brasil.

Matéria anteriorLoja circular do varejo brasileiro abre as portas
Próxima matériaFabricante de utensílios adota selo eureciclo, de logística reversa de embalagens

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

treze + vinte =