Impacto social proporcionado pela Trashin a membros das cooperativas e motoristas é realizado com o aumento clientes em 2021

A Trashin, cleantech sediada em Porto Alegre e com atuação nacional gerou, no ano passado, R$909.216,60 em renda e adicionalidade para as cooperativas de reciclagem e agentes logísticos, sendo R$592.480,04 para 31 cooperativas e R$316.736,56 para motoristas autônomos.

Para o CEO da Trashin, Sérgio Finger, além de sanar a dor das empresas de forma inovadora e eficaz, este volume em renda gerado para as cooperativas e condutores reforça que a Trashin vem cumprindo seu papel social junto às comunidades em que está presente.

Canecas Personalizadas

“Temos em mente que além de transformar o cenário brasileiro de resíduos sólidos, também transformaremos toda a comunidade inserida neste mercado por meio de oportunidades. Ao fecharmos o nosso balanço anual, nossa equipe inteira ficou feliz ao confirmarmos que superamos a nossa meta prevista para 2021”, destaca Finger.

Já o COO da Trashin, Rafael Dutra, explica que este volume gerado em renda para cooperativas e motoristas foi possível porque a Trashin trabalha com duas frentes em suas parcerias, definidas de acordo com a realidade de cada praça onde atua.

“Quando uma empresa contrata a Trashin, fazemos toda a parte educacional, desde a sinalização até o treinamento presencial e online com os colaboradores das organizações, por meio de dicas práticas que impactam o dia a dia. Além disso, é a própria Trashin quem alinha com as cooperativas de reciclagem para que elas processem e garantam a melhor destinação dos resíduos coletados”, detalha Rafael.

A Trashin é a responsável por todo o processo de retirada e transporte dos resíduos, utilizando, eventualmente, motoristas autônomos e cooperativas de reciclagem.

“Graças ao nosso método, só em 2021 conseguimos gerar quase um milhão de reais em adicionalidade aos trabalhadores. Esse resultado é uma prova de que todos saem ganhando com essa parceria, já que nosso trabalho está sendo visto pelas cooperativas de reciclagem como uma oportunidade de trabalhar com grandes empresas, algo que não era alcançável até então”, detalha Dutra.

Entre as cooperativas parceiras da Trashin estão as Associações Anjos da Ecologia e Reciclando pela Vida, ambas instaladas no Rio Grande do Sul. Para a assessora técnica das duas associações, Simone Pinheiro, a parceria com a Trashin impactou positivamente, principalmente, durante esse período de pandemia da Covid-19.

“Para os associados da Anjos da Ecologia e Reciclando pela Vida, a Trashin é muito importante. Pois quando falamos em geração de renda, o volume de resíduos recicláveis direcionados a nós pela startup é responsável por algo em torno de 25% na renda mensal dos associados”, explica Simone.

As cooperativas desenvolvem o trabalho de separação e destinação correta dos resíduos para reciclagem que chegam das empresas em que a Trashin desenvolve projetos no estado gaúcho. Simone enfatiza que os benefícios da parceria com a Trashin não se limitam apenas na geração de renda e volume de trabalho.

“Temos um interesse muito grande neste trabalho, pois queremos ampliar os negócios para além do recebimento de cargas. Desejamos efetivamente participar da logística reversa, emitir certificações e integrar uma série de possibilidades de negócios, que por meio da Trashin, podem se tornar realidade nesse enorme mercado dos resíduos sólidos”, finaliza a Assessora Técnica.

Matéria anteriorIBM lança programa pro bono ambiental de 2 anos para organizações sem fins lucrativos a nível global
Próxima matériaInscrições para a 10ª edição do Desafio da Inovação vão até 7 de março

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezenove − sete =