Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima vem implantando a compensação voluntária de emissões de gases gerados por atividades turísticas e já compensou a emissão de 30 mil toneladas

O projeto Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima está transformando a Área de Proteção Ambiental Costa de Itacaré-Serra Grande, no litoral sul da Bahia, no primeiro destino turístico “Guardião do Clima” do país. Vencedor do desafio “Trilhando a Transformação: Inovações Sociais para o Turismo Sustentável”, foi lançado pela CTG Brasil em parceria com a Ashoka no ano passado. A iniciativa foi realizada dentro do âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Desde sua criação, em 2009, por meio da conservação e restauração das florestas, o projeto fixou 10 mil toneladas de gases e impediu a emissão de 20 mil toneladas. Este saldo de 30 mil toneladas de gases, que deixaram de ir para a atmosfera, equivale a cerca de 20 mil viagens, de ida e volta, de São Paulo à Glasgow, na Escócia, onde foi realizada a COP26.

O projeto vem implantando a compensação voluntária de emissões de gases gerados pelos turistas, estabelecimentos comerciais e moradores da região. O comércio em geral e moradores pagam o valor de R$ 60,00 pela tonelada de gás gerada por suas atividades. Já os turistas pagam R$ 10,00, valor que é embutido no pacote de hospedagem para compensar as emissões geradas pela sua viagem.

Os recursos recolhidos com os pagamentos são redistribuídos para grupos em situação de vulnerabilidade. Agricultores e populações tradicionais participantes passam a receber R$ 400,00 mensais. Em contrapartida, realizam, em suas propriedades, ações para compensar emissões como proteção da floresta, restauração de áreas degradadas e a prática da agricultura agroecológica. Todos têm acesso à assistência técnica para o plantio agroecológico, restauro florestal, produção de mudas, implantação de agroflorestas e conservação da fauna e flora nativa.

Além disso, as famílias assumem outros compromissos como interromper a caça de animais silvestres e manter os filhos na escola. Executado pela Ong Movimento Mecenas da Vida, há 10 anos, o projeto chegou a repassar R$ 300 mil aos agricultores.

Ao participar do programa, turistas, empresários, comerciantes, moradores e agricultores recebem um cartão de vantagens que dá descontos de 5% na compra de produtos e serviços. Para estimular a participação, a prefeitura de Itacaré abraçou a ideia e está criando o “IPTU do Clima”, política pública pioneira no Brasil que dará descontos de 5 a 10% no valor do tributo.

A diretora de marca, comunicação e sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora, afirma que a realização do desafio reflete o compromisso assumido pela companhia com o desenvolvimento local. “Como empresa de geração de energia 100% limpa, optamos por reconhecer, em parceria com a Ashoka Brasil, projetos de grande potencial que estão consolidando uma cultura de transformação pelo país afora. É uma alegria apoiar lideranças comunitárias da área do turismo que estão à frente da retomada do turismo pós-pandemia, em um modelo que alia sustentabilidade, desenvolvimento, geração de renda e mitigação de danos climáticos”, diz.

O engenheiro florestal Salvador Ribeiro, um dos idealizadores da iniciativa de Itacaré, explica que o propósito é transformar o turismo em um indutor de sustentabilidade. “Estamos falando também de cidadania climática, ou seja, fazer com que as pessoas assumam o protagonismo no enfrentamento à emergência climática. E colocando a inovação, sustentabilidade e inclusão de grupos antes marginalizados como o novo normal do turismo”, acrescenta. Para mais informações, clique aqui .

Previous articleNotebook sustentável chega ao Brasil
Next articleClientes podem compensar sua emissão de carbono por App de banco

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

8 − sete =