Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima vem implantando a compensação voluntária de emissões de gases gerados por atividades turísticas e já compensou a emissão de 30 mil toneladas

O projeto Turismo CO2 Legal – Guardiões do Clima está transformando a Área de Proteção Ambiental Costa de Itacaré-Serra Grande, no litoral sul da Bahia, no primeiro destino turístico “Guardião do Clima” do país. Vencedor do desafio “Trilhando a Transformação: Inovações Sociais para o Turismo Sustentável”, foi lançado pela CTG Brasil em parceria com a Ashoka no ano passado. A iniciativa foi realizada dentro do âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Desde sua criação, em 2009, por meio da conservação e restauração das florestas, o projeto fixou 10 mil toneladas de gases e impediu a emissão de 20 mil toneladas. Este saldo de 30 mil toneladas de gases, que deixaram de ir para a atmosfera, equivale a cerca de 20 mil viagens, de ida e volta, de São Paulo à Glasgow, na Escócia, onde foi realizada a COP26.

Canecas Personalizadas

O projeto vem implantando a compensação voluntária de emissões de gases gerados pelos turistas, estabelecimentos comerciais e moradores da região. O comércio em geral e moradores pagam o valor de R$ 60,00 pela tonelada de gás gerada por suas atividades. Já os turistas pagam R$ 10,00, valor que é embutido no pacote de hospedagem para compensar as emissões geradas pela sua viagem.

Os recursos recolhidos com os pagamentos são redistribuídos para grupos em situação de vulnerabilidade. Agricultores e populações tradicionais participantes passam a receber R$ 400,00 mensais. Em contrapartida, realizam, em suas propriedades, ações para compensar emissões como proteção da floresta, restauração de áreas degradadas e a prática da agricultura agroecológica. Todos têm acesso à assistência técnica para o plantio agroecológico, restauro florestal, produção de mudas, implantação de agroflorestas e conservação da fauna e flora nativa.

Além disso, as famílias assumem outros compromissos como interromper a caça de animais silvestres e manter os filhos na escola. Executado pela Ong Movimento Mecenas da Vida, há 10 anos, o projeto chegou a repassar R$ 300 mil aos agricultores.

Ao participar do programa, turistas, empresários, comerciantes, moradores e agricultores recebem um cartão de vantagens que dá descontos de 5% na compra de produtos e serviços. Para estimular a participação, a prefeitura de Itacaré abraçou a ideia e está criando o “IPTU do Clima”, política pública pioneira no Brasil que dará descontos de 5 a 10% no valor do tributo.

A diretora de marca, comunicação e sustentabilidade da CTG Brasil, Salete da Hora, afirma que a realização do desafio reflete o compromisso assumido pela companhia com o desenvolvimento local. “Como empresa de geração de energia 100% limpa, optamos por reconhecer, em parceria com a Ashoka Brasil, projetos de grande potencial que estão consolidando uma cultura de transformação pelo país afora. É uma alegria apoiar lideranças comunitárias da área do turismo que estão à frente da retomada do turismo pós-pandemia, em um modelo que alia sustentabilidade, desenvolvimento, geração de renda e mitigação de danos climáticos”, diz.

O engenheiro florestal Salvador Ribeiro, um dos idealizadores da iniciativa de Itacaré, explica que o propósito é transformar o turismo em um indutor de sustentabilidade. “Estamos falando também de cidadania climática, ou seja, fazer com que as pessoas assumam o protagonismo no enfrentamento à emergência climática. E colocando a inovação, sustentabilidade e inclusão de grupos antes marginalizados como o novo normal do turismo”, acrescenta. Para mais informações, clique aqui .

Matéria anteriorNotebook sustentável chega ao Brasil
Próxima matériaClientes podem compensar sua emissão de carbono por App de banco

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

doze + dezenove =