Realizado por L’Oréal, UNESCO e ABC, premiação que já laureou 103 jovens cientistas de todo o país oferece bolsa de R$50 mil reais a sete pesquisadoras brasileiras

Foram prorrogadas até o dia 10 de junho as inscrições para o programa Para Mulheres na Ciência, que este ano comemora 16 anos no país. Realizada em parceria com a UNESCO no Brasil e a Academia Brasileira de Ciências, a premiação tem como objetivo promover e reconhecer a participação da mulher na ciência, favorecendo o equilíbrio dos gêneros no cenário brasileiro. Esta edição de 2021 conta com uma novidade: um ajuste no regulamento permitiu mais prazo de conclusão do doutorado para cientistas que são mães, ampliando a oportunidade de inclusão.

Canecas Personalizadas

Todo ano, na edição local, sete jovens pesquisadoras das áreas de Ciências da Vida, Ciências Físicas, Ciências Químicas e Matemática são contempladas com uma bolsa-auxílio de R$ 50 mil cada, para dar prosseguimento aos seus estudos. Para participar, é necessário que a candidata tenha concluído o doutorado a partir de 01/01/2014, sendo que, para mulheres com um filho, o prazo se estende por mais um ano e, para quem tem dois ou mais filhos, o prazo adicional será de dois anos. Além disso, a cientista deve ter residência estável no Brasil, desenvolver projetos de pesquisa em instituições nacionais, entre outros requisitos.

O regulamento completo e mais informações sobre o programa estão disponíveis no site http://www.forwomeninscience.com/challenge/show/9. Para se inscrever, é importante que a candidata altere o idioma da página para o Português. As vencedoras serão conhecidas a partir de agosto.

“Neste momento tão particular de pandemia, o programa Para Mulheres na Ciência encontra uma ressonância enorme que só reforça as nossas crenças da necessária união de duas forças tão relevantes para a nossa sociedade: a ciência e as mulheres. O mundo precisa de ciência. E a ciência precisa de mulheres! A ciência é chave para solucionar os enormes desafios do mundo atual e, para mudá-lo, a força feminina é primordial”, diz Patrick Sabatier, diretor de Relações Institucionais e Comunicação na L’Oréal Brasil.

Pesquisa revelou dificuldade de cientistas mães

Em 2020, em ocasião dos 15 anos do programa Para Mulheres na Ciência no Brasil, a L’Oréal fez uma grande pesquisa com o instituto inglês Kite Insights, desvendando os obstáculos que as cientistas encontram. Os desafios da vida pessoal foram apontados como os principais em suas carreiras.

Na pesquisa, 61% informaram que as responsabilidades profissionais fora da pesquisa são as maiores dificuldades; já para 51% das mulheres, o ponto mais complicado foi encontrar equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Para 46% delas, as demais responsabilidades no âmbito familiar foram as mais desafiadoras. Nesse sentido, a maioria das laureadas afirmou que, no meio científico, ter um filho irá impactar a carreira da mulher (86%), enquanto a maioria delas (77%) precisou tomar decisões difíceis relacionadas aos filhos – como se teriam, quantos e quando seria possível – para acomodar suas carreiras. Para ajudar a vencer esses grandes desafios, a L’Oréal, bem como os parceiros Academia Brasileira de Ciências e Unesco, tomaram a decisão de ajustar o regulamento do programa no Brasil, ampliando a oportunidade para as mães cientistas.

Ao longo destes 16 anos, o programa Para Mulheres na Ciência já reconheceu e incentivou 103 cientistas brasileiras, premiando a relevância dos seus trabalhos, com a distribuição mais de R$ 4,3 milhões em bolsas-auxílio.

Matéria anterior“Um Milhão de Oportunidades” para desenvolvimento de jovens no Brasil conta com mais um grande parceiro
Próxima matériaNova cartilha valoriza a agricultura nacional

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

17 + 19 =