Pesquisa mostra que a pauta avança na hierarquia corporativa, mas nem sempre com consistência

O estudo “Desafios do ESG para a reputação das empresas”, proposta pela Percepta Marketing e Comportamento e realizada pela Somatório Inteligência Direcionada sobre o tratamento dado pelas empresas aos temas meio ambiente, questões sociais e governança corporativa, mostra que a pauta ganha investimento e atenção nas organizações. Mas nem sempre com clara compreensão, convicção ou aprofundamento em relação aos conceitos e valores ESG.

A pesquisa, que aborda aspectos relacionados às práticas ESG e como elas contribuem para a reputação de marcas e empresas, foi realizado em duas etapas. A primeira analisou 13,7 mil postagens de 120 empresas de médio e grande portes em redes sociais (Linkedin, Facebook e Twitter), com aferição do nível de engajamento por meio de likes, comentários e compartilhamentos. Em um segundo momento, entrevistas em profundidade com executivos de 45 empresas investigaram questões relacionadas às agendas ESG e reputação.

Canecas Personalizadas

Um dos destaques do estudo é a participação do assunto entre as postagens corporativas, 25% do total, o que demonstra o interesse das empresas em se mostrarem aderentes aos conceitos de ESG. Outro é o nível de engajamento por tema da pauta ESG. O tema Ambiental responde por 47% das reações, seguido por social (32%) e governança (21%).

Alguns resultados:

  • 71% dos entrevistados reportam que tantos assuntos de ESG como de reputação tiveram alto impacto em suas empresas no último ano;

  • 79% das empresas aumentaram recursos em ESG no exercício de 2021;

  • O nível hierárquico dos responsáveis pela agenda ESG indica a importância do tema nas companhias: 80% são executivos (C-level ou gerentes);

  • 88% dessas empresas têm equipes integral ou parcialmente dedicadas à gestão de questões ESG.

De acordo com Victor Olszenski, sócio da Percepta Marketing e Comportamento, “a pesquisa também indica que o esforço das empresas em demostrar aderência aos postulados ESG nem sempre é motivado por clara compreensão e convicção em relação a seus conceitos e valores – o que pode levar as ações a se voltarem contra a reputação corporativa, ao invés de favorecê-la”.

“Entre as postagens com conteúdos ESG, 61% mostram pouca consistência ou superficialidade e muitas iniciativas divulgadas dizem respeito a práticas regulamentadas por lei, como contratação de pessoas com deficiência (PCDs) ou incentivo a práticas esportivas”, acrescenta Marcello Guerra, diretor da Somatório Inteligência Direcionada.

O estudo completo será apresentado em live no dia 16 de fevereiro, 11h horas, no link https://bit.ly/Percerpta. O relatório executivo pode ser solicitado à Percepta (perceptamkt@perceptamkt.com.br) ou à Somatório (contato@somatorio.com.br).

Matéria anteriorPoluição oceânica por plásticos quadruplicará até 2050, levando mais áreas a exceder o limite ecologicamente perigoso de concentração de microplásticos
Próxima matériaGuia de Monetização de Impacto Social vai medir o impacto socioambiental das ações de empresas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

seis − quatro =