Com todas as 278 Unidades verificadas e auditadas, Grupo conquista o reconhecimento do GHG Protocol por seus esforços na redução de impactos ambientais

O Grupo NotreDame Intermédica (GNDI), maior operadora de saúde do Brasil, acaba de receber o selo ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol por seu desempenho no inventário de gases de efeito estufa (GEE), referente ao ano de 2020.

O Programa Brasileiro GHG Protocol é uma importante ferramenta usada para entender, quantificar e gerenciar as emissões de gases de efeito estufa em uma organização, e foi adaptado ao contexto nacional em 2008, pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas, seguindo as diretrizes internacionais do GHG Protocol.

Canecas Personalizadas

“Com o avanço das questões sobre as mudanças climáticas, acreditamos que o grande objetivo de inventariar as emissões diretas e indiretas é entender o nosso impacto e com isso poder atuar na redução. Em 2020, a companhia compensou 100% das suas emissões por meio da compra de créditos de carbono do Projeto REEDD+ Vale do Jari e de certificados de energia renovável, por exemplo”, explica João Alceu Amoroso Lima, vice-presidente de ESG do Grupo.

No ciclo 2020, o inventário de gases de efeito estufa do GNDI contemplou todas as Unidades do Grupo, somando 278 unidades, e passou por verificação de 3ª parte pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que auditou o documento. A viabilização do reporte completo do inventário foi possível após a aquisição do software Climas, que auxiliou na coleta e quantificação dos dados de todas as operações do GNDI.

Ao fazer a compensação de todas as emissões de gases, o GNDI se tornou uma empresa “Carbono Neutro” em 2020, conforme publicado em seu Relatório de Sustentabilidade. O Programa Brasileiro GHG Protocol qualifica as empresas inscritas com selos nas categorias bronze, prata e ouro, seguindo a ordem de reporte parcial ou completo, bem como a verificação por auditoria externa.

 

Matéria anteriorEmpresa brasileira de beleza banirá matérias-primas de origem animal até 2025
Próxima matériaEstudantes brasileiros participam de projeto global sobre mudanças climáticas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

15 − um =