Primeiro estudo de viabilidade do modal na América Latina foi realizado por meio de acordo com o Governo do RS e parceria com a UFRGS em trajeto que vai de Porto Alegre até a Serra Gaúcha

A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), por meio de um acordo com o Governo do Estado do Rio Grande do Sul e em parceria com a Hyperloop Transportation Technologies (HyperloopTT), acaba de concluir um estudo de viabilidade do transporte ultrarrápido e sustentável na região Sul do Brasil. A pesquisa para a implementação do modal em cápsulas para passageiros e cargas é pioneira na América Latina e estima que, em 30 anos, haverá uma redução de R$ 2,3 bilhões no custo operacional da rota que vai de Porto Alegre a Caxias do Sul, passando pelas cidades de Novo Hamburgo e Gramado.

O estudo de viabilidade considerou o período de cinco anos para a implementação do sistema e analisou os impactos do projeto no decorrer de 30 anos de funcionamento do transporte no sul do país. Com o sistema, o trajeto de 135 km, que hoje é feito em duas horas de carro, poderá ser realizado em apenas 19 minutos e 45 segundos, em uma velocidade máxima de 835 km/h.

Canecas Personalizadas

“Imagina trabalhar em Caxias do Sul, poder ir almoçar em Porto Alegre e conseguir voltar a tempo para o trabalho? Ou conhecer os principais pontos turísticos de Porto Alegre e Gramado no mesmo dia? Essas são só algumas das inúmeras possibilidades que o hyperloop pode levar para a região. Os resultados do estudo de viabilidade são muito animadores, com redução de custos de operação, payback em tempo recorde em se tratando de um modal de transporte e um impacto enorme na geração de empregos e no turismo local. Nós esperamos engajar entidades ligadas à área de logística, operadores de rotas e governantes para dar esse grande passo em direção à inovação e ao desenvolvimento sustentável no país”, diz o diretor da HyperloopTT para a América Latina Ricardo Penzin.

O Governador do Estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, enfatiza que o estudo de viabilidade foi possível devido ao quadro técnico altamente qualificado do Estado e da parceria com a HyperloopTT. “A gente agradece a equipe da HyperloopTT pela boa parceria e principalmente pelo olhar para o Rio Grande do Sul. O Governo do Estado está ao lado deste projeto, oferecendo as informações dentro dos termos de cooperação estabelecidos a partir da Secretaria de Ciência, Inovação e Tecnologia e da Secretaria da Fazenda. Eu sei que para alguns pode parecer algo distante e inviável, mas certamente também foi assim quando alguém disse que levantaria voo em um avião pela primeira vez. Nós chegamos até aqui a partir de análises científicas, de um estudo bem feito, e, quem sabe, estamos compartilhando um momento histórico diante da possibilidade real e concreta de colocar o Rio Grande do Sul como um marco para a inovação no Brasil e na América Latina”, declara.

De acordo com o secretário de Estado de Inovação, Ciência e Tecnologia, Luís Lamb, a análise de viabilidade do hyperloop pode contribuir para a exploração de novas tecnologias e produtos da cadeia de mobilidade do Rio Grande do Sul. “É uma das tecnologias de potencial impacto disruptivo no setor de transportes e que necessita capacitação de pessoas, uma cadeia de fornecedores especializados e constante evolução tecnológica. Não é apenas a implantação de uma linha de transporte moderna que pode levar a melhorias na logística e transporte, é muito além disso. A análise de viabilidade dos pesquisadores gaúchos mostra que potenciais econômicos podem ser desenvolvidos a partir desse sistema, levando em conta o avanço do conhecimento, a sustentabilidade e as demandas da sociedade gaúcha”, explicou.

Aspectos econômicos

Um aspecto priorizado pelo estudo foi a viabilidade econômica do projeto. De acordo com as características geográficas da região, constatou-se que o custo total para a implementação do hyperloop, junto com os custos de operação e os impostos pelos próximos 30 anos, será de US$ 7,71 bilhões. O valor investido é compensado já nos primeiros cinco anos de funcionamento, principalmente com receita proveniente dos passageiros (52%) e empreendimentos (35%), além de aluguel de lojas nas estações (2%), publicidade (2%) e transporte de carga (1%). Como o projeto não exige subsídios governamentais, a empresa interessada em realizá-lo terá um payback completo e passará a lucrar em apenas 14 anos.

Já dentre os principais benefícios para a economia local estão a criação de 50 mil empregos diretos no setor de Construção durante o período de obras, 9.243 empregos diretos e indiretos e 2.077 empregos no setor de Energia Solar anualmente durante 30 anos, crescimento do PIB e o aumento da receita tributária. Dessa forma, os ganhos serão cerca de 31% superiores aos custos envolvidos no projeto.

Desenvolvimento local

No período de análise de 30 anos, a projeção é que o transporte em cápsula, que se movimenta sem atrito em um ambiente de alta pressão, evite 67 acidentes com mortes, 1.203 acidentes com feridos e 651 acidentes com danos apenas materiais. No total, são quase 2 mil acidentes a menos no estado, em apenas três décadas.

Além da mobilidade urbana, outro setor que promete ser beneficiado na região é o imobiliário. Com cerca de seis anos de implementação do hyperloop, deve ocorrer uma valorização de R﹩ 27,4 bilhões​ dos terrenos e propriedades no entorno das estações. O estudo ainda supõe a participação da HyperloopTT em 20% dos novos empreendimentos de incorporação imobiliária, gerando ganhos não operacionais adicionais de R﹩ 18 bilhões, que se caracterizam como uma parte vital da receita do modal.

“O projeto da HyperloopTT rompe conceitos tradicionais e traz inovações tanto em termos de infraestrutura quanto em termos de operação de um sistema de transporte. Isso exigiu a articulação de vários saberes e o trabalho em equipe de profissionais de áreas como energia, previsão de demanda de carga, estudo de rotas, dentre outras, na Universidade. A gente sente que todos os nossos esforços foram recompensados com o lançamento desse estudo sólido e promissor”, declara a Dr. Christine Tessele Nodari, coordenadora do projeto pelo Laboratório de Sistemas de Transportes da UFRGS.

Foco na sustentabilidade

O modal proposto pela HyperloopTT é alimentado por energia renovável e prevê a instalação de painéis fotovoltaicos em 80% do percurso Porto Alegre – Serra Gaúcha acima do solo, considerando possíveis problemas técnicos como sombreamento, que podem inviabilizar a instalação em alguns trechos. Seu potencial de produção anual de energia é estimado em 339 GWh, enquanto o consumo energético é de apenas 73 GWh ao ano. Assim, o hyperloop poderá produzir 3,6 vezes mais energia do que consome e ser considerado um sistema com autossuficiência energética, em que a venda do excedente não é necessária para a sua sobrevivência.

O estudo da rota gaúcha priorizou um percurso que minimiza a distância entre as cidades e, ao mesmo tempo, se adequa à topografia do terreno para reduzir a necessidade de obras complexas relacionadas a túneis e viadutos e, assim, mitigar o impacto ambiental. A emissão de gases que causam o efeito estufa e outros poluentes também será drasticamente reduzida com a adoção do transporte no Rio Grande do Sul. Cerca de 95 mil toneladas de CO2 deixarão de ir para a atmosfera, contribuindo para a sustentabilidade ao mesmo tempo em que não abre mão do desenvolvimento econômico, tecnológico e social.

“O grande diferencial desse projeto é a dimensão ambiental e a pegada ecológica com a utilização de energia limpa e renovável. O estudo em si é abrangente, pois incorpora análises sob diferentes aspectos e áreas de conhecimento, ao mesmo tempo em que é profundo, pois entra em detalhes para que se possa chegar a conclusão sobre a viabilidade técnica, econômica e financeira do projeto. Essa é uma iniciativa global que vai alterar de forma definitiva os padrões de mobilidade no mundo e a Universidade se sente completamente satisfeita em contribuir com esse passo histórico que está sendo buscado”, afirma o PhD. Luiz Afonso Senna, coordenador do projeto pelo Laboratório de Sistemas de Transportes da UFRGS.

 

Matéria anteriorMaior gestora de marcas esportivas do Brasil passa a utilizar energia limpa em 100% de sua produção
Próxima matériaAfro Presença oferece 5 mil vagas de emprego para universitárias negras e negros

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

9 + quinze =